Slideshow

28 de nov de 2012

Blade Runner, o Caçador de Andróides - 1982



A questão ética central colocada em Blade Runner tem sido popular na ficção científica, já que é o início do gênero: o que é a vida? É o mesmo problema que ponderou por Mary Shelly em Frankenstein , traduzido para um futuro distante. O homem já não é mais uma construção de criaturas disformes de partes de corpos fora de uso. Agora as criaturas são réplicas quase perfeitas dos seres humanos. Eles vivem, comem, bebem, pensam e perecem. Mas será que eles têm alma?


Em 30 anos desde o seu lançamento original, Blade Runner se tornou um dos filmes de ficção mais discutido, debatido e influente da ciência. Atualmente é quase impossível encontrar um corajoso filme de ficção científica que não deve, pelo menos, uma pequena dívida a Blade Runner em estilo visual. O filme é um jogo de moralidade. A existência ou não de alma, a questão é que os replicantes estão "vivos" ecos de temas de incontáveis histórias, filmes e séries. Encontra-se, por exemplo, no coração de Issac Asimov em Eu, Robô (livro e filme). Blade Runner não inventou o problema, mas sem dúvida popularizou, mais do que qualquer outro pós-Asimov. Blade Runner oferece sua parcela de tensão e suspense, mas a intenção de Ridley Scott com este filme era fazer algo para se pensar não apenas um choque de adrenalina sem sentido.
 
O filme é vagamente baseado no livro Do Androids Dream of Electric Sheep?, de Philip K. Dick, e representa a primeira vez que qualquer das obras do autor prolífico de ficção científica foi adaptada para o cinema. Alegadamente, Dick estava satisfeito com o resultado apesar de Blade Runner divergir consideravelmente de sua história. O que mais impressionou Dick foi o visual do filme e foi o que tornou Blade Runner uma lenda. A mistura de alta tecnologia (veículos aéreos) e da pobreza (incêndios em latas de lixo) resulta em imagens indeléveis. Blade Runner tem lugar na escuridão e na chuva, as influências de filmes noir são evidentes, mas assim são as ficções científicas. A habilidade de Scott para fundir esses dois criou um projeto que dezenas de outros filmes "sérios" de ficção científica que se seguiram. 


O ano é 2019 e o mundo mudou. A tecnologia deu acesso a humanidade para as estrelas, mas existem problemas maiores aqui na Terra. Replicantes - criações sintéticas que tão de perto se assemelham a seres humanos sendo quase indetectáveis - não são permitidos no mundo de origem. Mais fortes e mais especializados do que pessoas reais, os replicantes são enviados fora do mundo como escravos, soldados e prostitutas. No entanto, um grupo de replicantes mais avançados retornou à Terra em uma nave espacial roubada. Eles estão à solta e são considerados perigosos. Seu líder, Roy Batty (Rutger Hauer), tem um objetivo: para prolongar sua vida. Como um dispositivo de segurança, os replicantes são criados com um tempo de vida limitado de quatro anos. Depois disso, eles expiram, e Roy quer viver tanto quanto qualquer ser humano.


Blade Runners são os caçadores de recompensa empregados para rastrear e "aposentar" replicantes que violem a lei e vêm para a Terra. Rick Deckard (Harrison Ford) foi um dos melhores mas está fora do negócio, ainda é capaz de fazer o trabalho, mas ele não se entusiasma com ele, é um policial relutante, e sua relutância se torna mais evidente a medida que o filme se desenrola. Há um erro de continuidade irritante referentes ao número de replicantes que chegaram à Terra, o número original é de seis, entretanto, é dado a Deckard apenas quatro perfis de rastrear, então ele conheçe Rachael (Sean Young), um novo tipo de replicante quase tão perfeito que nem mesmo ele não tem certeza no início. A história de amor com Rachael não funciona, em grande parte porque Ford e Sean subestimam seus papéis a tais extremos que é impossível de acreditar que poderia sentir qualquer coisa um pelo outro. O romance é necessário para a história e enfatiza a linha turva entre homens e replicantes mas falha em um nível emocional.


O personagem mais mal interpretado neste filme foi Roy, no início, ele era representado como um dos antagonistas implacáveis, mas só no final, estavamos familiarizados com o outro lado do personagem. Até mesmo o local "Los Angeles" não foi escolhido sem uma razão. Mesmo onde a religião parece inexistente, o simbolismo religioso era difícil não notar, Roy com o cabelos brancos e olhos azuis penetrantes num mundo escuro e depressivo, ele era como um anjo caído que queria algo proibido para ele. Quando ele descobriu que não havia maneira de conseguir o que queria, ele caiu em desgraça e entendendo que as mortes de seus amigos e as coisas más que fez foram completamente inúteis, tudo o que ele queria era apenas liberdade e felicidade e, por isso, no final, ele fez estigmas em si mesmo com um prego. Desta forma Roy queria mostrar que ele se sentia como Jesus atormentado e, a fim de redimir seus pecados, ele decidiu salvar Deckard. A morte poética e comovente desse personagem é um dos momento mais fortes do filme. Não há nada mais bonito que o pombo lançado no céu chuvoso simbolizando a libertação de um sofrimento terrível, e assim ele diz: "Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer.”


 
O confronto final entre Deckard e Roy é atípica de um filme de ação. A luta ocorre, mas Deckard é o perdedor. Roy o salva, mesmo que ele tenha todos os motivos para deixar-lo morrer. Os dois passam as últimas horas de Roy juntos, à espera de sua vida de quatro anos para terminar. Por que Roy salvou Deckard? Talvez, ao reconhecer que o fim está próximo, Roy não quer morrer sozinho. Seus companheiros não estão mais vivos, Deckard é o único que vai ficar com ele. Esta ação, mais do que qualquer outra, defende a "humanidade" dos replicantes. O que poderia ser mais humano do que não querer morrer sozinho?

A exploração mais detalhada do filme, seu estilo, seus mistérios requer dedicação que só alguém imerso em Blade Runner poderia ter, proporcionando uma experiência única, é mais e mais cativante a cada cena. Aguardo ansiosamente por sua continuação.

"Eu não sei porque ele salvou a minha vida. Talvez naqueles últimos momentos ele amava a vida que ele jamais teve. Não apenas a sua vida - a vida de ninguém, a minha vida. Tudo o que ele queria eram as mesmas respostas que o resto de nós quer. De onde foi que eu vim? Para onde vou? Quanto tempo eu tenho? Tudo que eu podia fazer era sentar lá e vê-lo morrer."

Nota:10 

4 comentários:

  1. Adoro filmes antigos *-*

    ResponderExcluir
  2. algo me intriga no filme , pois a rachel pergunta para ford: Vc fez o teste em si mesmo? serã que ford tb é um replicante?

    ResponderExcluir
  3. Ridley Scott confirmou que Deckard é um Replicante e provavelmente no Blade Runner dois que ele quer fazer, Harrison Ford confirmou uma participação como Replicante e Deckard.

    ResponderExcluir