Slideshow

1 de out de 2012

Laranja Mecânica (Clockwork Orange) - 1971






É difícil falar de Stanley Kubrick sem caracterizar um de seus melhores filmes, apesar de ter deixado cerca de 15 filmes todos obras primas impares, nenhuma tanto quanto Laranja Mecânica, baseado no livro de mesmo nome de Anthony Burgess (1962), é o mais polêmico de seus filmes, banido da circulação pelo próprio realizador durante 30 anos, talvez em influência das severas críticas que o seguiram. Embora a natureza humana não pode ter mudado desde 1971, os padrões de cinema tem. A força motriz por trás da obra foi mais de Kubrick do que de Burgess, estilo sempre foi um dos pontos fortes de Kubrick mesmo em seus esforços menos bem sucedidos, e uma das primeiras coisas que irá nos atacar assistindo Laranja Mecânica atualmente é como é mais moderna do que parece, as questões tratadas são tão urgente hoje como eram há mais de quarenta anos atrás. 


Trata-se de uma ficção científica que ocorre num futuro próximo em que o estilismo como a visão um tanto simbolista de Kubrick faz parte do dia-a-dia de Alex De Large (Malcolm Macdowell), o líder de uma gangue de delinquentes, onde qualquer pessoa azarada o suficiente para entrar em seu caminho pode ser estuprada, assaltada, espancada, assassinada, ou uma combinação desses quatro. Após ser traído por seus companheiros Alex é preso e se candidata para uma experiência científica com fins de erradicar a natureza agressiva do ser humano, que consiste em o expor a incontáveis imagens de sexo e violência, enquanto bombardeiam seu corpo com drogas que causam aversão instantânea, os médicos são capazes de desenvolver uma resposta para atividades imorais e ilegais. Após ser submetido as essas experiências, Alex é “devolvido” ao seu mundo, porém incapaz de cometer algo impuro, o protagonista sofre as consequências dos atos que havia praticado anteriormente.



O filme tem como objetivo a métodos ineficazes e desumanos, muitas vezes inventadas pelos governos para conter o comportamento criminoso, pedindo sacrifícios que estamos dispostos a fazer para viver em relativa segurança. Depois, há a questão de saber se a remoção do livre arbítrio destrói a humanidade essencial de um indivíduo. Mas a hipocrisia reina neste meio, a violência é apenas o seu paladar, a sociedade está se movendo lentamente ladeira abaixo na ideia que o filme adverte contra. Tenho a sensação perturbadora de que, se a solução para o crime proposta pelo filme (lavagem cerebral) foi medicamente e economicamente viável, o governo pularia de alegria. Assim, atos contra a sociedade estão intrinsecamente ligados a uma doença insuportável, e o criminoso sobrevivente a tudo isso é capaz de se reintroduzir a sociedade e tornar-se um zumbi produtivo.


Não há dúvida de que o trabalho de McDowell aqui é uma dos melhores de sua carreira, Alex é praticamente o único personagem do filme que tem um senso de individualidade. É por isso que o público se identifica com ele, ainda que com dificuldade, através de seus atos desprezíveis. Ele existe em um universo de tolos.  Kubrick nos apresenta um mundo distópico tão idiota e superficial que quase merece ser aterrorizados por alguém como Alex.  Não há abundancia de nudez, sexo e violência em Laranja Mecânica . E, enquanto o sexo não é pornográfico e  a violência não é explícita, não é um filme fácil de absorver ou digerir.Depois, há o uso da música, no filme é variada, com 9ª Sinfonia de Beethoven,  William Tell Overture de Gioacchino Rossini e Singin 'in the Rain, provando que toda e qualquer arte pode ter duplos significados.Apesar da polêmica em torno de seu lançamento, para a época, Laranja Mecânica foi, naturalmente, um filme chocante e violento, e seu sadismo ainda tem um poder inquietante, é um filme que exige pensamento, obriga atenção, e se recusa a ser rejeitado. O tom Kubrick adota é bastante diferente do livro de Burgess, mas é igualmente sombrio sob tons claros, e da mesma forma sedutora, a história é muito boa e hoje é amplamente considerado como um clássico, um filme amado por muitos e odiado por outros.

Nota: 10

Deixo uma música ótima claramente inspirada no filme:







2 comentários:

  1. Está ótimo para um primeiro post cara Su Catherine, poderia delinear ou detalhar melhor cada tópico, trazer a riqueza de questões envolvidas no filme, e quem sabe não fazer uma breve ligação entre o filme e o livro, fazendo com que possa suscitar uma certa curiosidade. No mais, é somente isso e continue fazendo um ótimo trabalho.

    Att.
    Alan

    ResponderExcluir